EXISTE ARQUITETURA ALÉM DA ESTÉTICA

Muitas vezes a arquitetura e o design focam só na estética mesmo. Mas isso não precisa e não deveria ser assim, e tem a ver apenas com o grau de profundidade que tratamos o assunto.

Em uma abordagem mais superficial, só se pensa no impacto visual das construções e ambientes, como se tudo não passasse de um desfile de moda, enquanto um foco um pouco mais aprofundado engloba também questões técnicas, funcionais e psicológicas. (Ver também: “A Psicologia da Arquitetura“).

O processo criativo de um projeto de qualquer porte pode conter soluções inovadoras e abrangentes em termos de desempenho e impacto na vida das pessoas. (Ver também: “Arquitetura de Interiores Também é Arquitetura“)

É importante, por exemplo, adequar o projeto à disponibilidade de materiais de cada local, às possibilidades de cada material e estrutura, e também ao investimento financeiro que se pretende fazer. E, principalmente, é preciso pensar no impacto que os espaços terão na percepção e sensação de cada pessoa ao utilizá-lo, para gerar conforto e bem estar. E isso envolve tamanhos, texturas, temperaturas, tipo de iluminação, além da funcionalidade, que é também essencial. Uma boa arquitetura atende a todos os hábitos e necessidades dos usuários ou moradores, tendo essas necessidades sido expostas ou não. O arquiteto precisa, então, entender bem o cliente e também prever todos os tipos de situações que podem interferir no uso dos espaços, e criar construções e ambientes que se encaixem em tudo isso. Essa é a função real da arquitetura, ou pelo menos seu potencial.

Transcender não é negar

Isso não quer dizer, no entanto, que a estética precise ser negada. Normalmente ficamos em uma dualidade que exclui ou supervaloriza, e quando chegamos à conclusão que algo é pequeno e sem importância, temos uma tendência a repudiar sua existência. É o que fazemos quando falamos de materialismo ou de vaidade por exemplo. Mas existe também a opção de simplesmente transcender esse assunto, incluindo na receita do bolo mas sem tratar como se fosse o único ou mais importante aspecto. Quando condenamos qualquer coisa continuamos dando a ela importância demais, inclusive, embora de um jeito negativo.

bolo casa - I cake youImagem: I Cake You

O papel da estética na arquitetura

A estética, dentro da arquitetura, poderia ter esse papel, embora seja tratada muitas vezes como se fosse o ingrediente principal. E o bolo acaba ficando seco e sem gosto, apesar de bonito.

Para proporcionar bem-estar de verdade não os espaços têm que ser, além de bonitos, também confortáveis e eficientes. E além disso, a própria harmonia estética pode ser tratada de um jeito mais cuidadoso, sendo então consequência de cuidados com  equilíbrio em geral e de uma percepção sensível de formas e cores. Beleza envolve sensibilidade.  A beleza de verdade, pelo menos. E mesmo assim, dentro da arquitetura, ela está longe de ser tudo.

Vídeo sobre arquitetura e bem-estar

Veja no vídeo abaixo o papel da arquitetura e a importância da geração de bem-estar pelos ambientes:

Imagem de capa: A Esthetics of Joy

Texto: Arquiteta Fernanda DG

Cursos e e-books que você pode gostar:
Veja também:

2 comentários em “EXISTE ARQUITETURA ALÉM DA ESTÉTICA”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *