OS PARADIGMAS DA CONSTRUÇÃO

Assim como em qualquer aspecto da sociedade estão embutidos valores pré-estabelecidos – os “paradigmas” – difíceis de serem alterados, na construção civil também não é diferente.

No Brasil, o sistema construtivo mais conhecido é o de alvenaria, com uso de pilares e vigas. Os pilares são as colunas verticais que dão apoio para as vigas, horizontais. E as paredes são normalmente feitas com tijolo cerâmico, cobertas com argamassa para regularizar e por fim recebem os revestimentos dos mais diversos tipos. Esse método, tido como tradicional por ser o mais utilizado, é erroneamente considerado como o mais eficiente e resistente, mas possui diversos inconvenientes:

– Desperdício de material nos escoramentos e fôrmas para pilares e vigas. As fôrmas são feitas de madeira e são posteriormente descartadas;

– Necessidade de retrabalho para passagem de encanamentos e tubulações. É necessário quebrar as paredes para inserir qualquer mecanismo de infra-estrutura;

– Demora no tempo de construção. O sistema é manual, as peças são pesadas e o trabalho não é otimizado;

– Grande impacto ambiental gerado pelo gasto de energia, pelo desperdício de material e pela utilização de materiais pouco sustentáveis, como o cimento e o tijolo cerâmico;

– Diminuição da estabilidade devido à concentração de carga em pontos específicos, que são os pilares e as vigas.

Alternativas à alvenaria

Já é conhecido também o bloco estrutural de concreto, utilizado antigamente para obras com poucos pavimentos e atualmente largamente aplicado a prédios e outras construções devido ao seu baixo custo. Porém, embora ele possua alguns benefícios, como o baixo custo e a distribuição uniforme da carga, além da redução do desperdício, já estão disponíveis no mercado outras alternativas com vantagens marcantes sobre esses métodos, tais como a construção com EPS, paredes estruturais de tijolo ecológico ou sistemas pré-moldados de montagem rápida.

A barreira às mudanças

Porém a dificuldade de adentrar uma cultura com conceitos e hábitos pré-estabelecidos faz com que esses recursos sejam pouco utilizados. Eles começam a ser reconhecidos somente depois de muitos anos, e mesmo assim menos utilizados do que a alvenaria. Isso se dá devido ao medo do novo e também a preconceitos adquiridos com obras mal feitas e sistemas ultrapassados.

É possível perceber o equívoco dessa postura em relação aos sistemas pré-fabricados, por exemplo. As casas de madeira pré-fabricadas, tidas aqui como de má qualidade, são muito utilizadas na Europa e nos Estados Unidos devido à sua resistência a terremotos e movimentações de terra. Se fosse utilizada alvenaria, qualquer abalo seria uma catástrofe, devido à sua rigidez. O que normalmente vemos como sinal de robustez e força de uma obra pode ser, portanto, seu maior problema. Da mesma forma, o conforto térmico e acústico gerado pelas paredes de EPS ou pela madeira de qualidade são maiores do que os garantidos pela alvenaria. O importante, no final das contas, é a qualidade da execução, que pode ser boa ou ruim em qualquer caso.

É preciso então abrir mão da nossa ilusória zona de conforto, e abrir a mente para mudanças necessárias e positivas, não só para nós como para todo o mundo. Na construção civil e em qualquer outro campo da vida.

Texto: Arquiteta Fernanda DG
Veja mais artigos aqui.

Cursos e e-books que você pode gostar:
Veja também:

4 comentários em “OS PARADIGMAS DA CONSTRUÇÃO”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *