TIPOS DE PISO

Na hora de escolher o piso, é fácil se perder no meio das inúmeras opções que existem no mercado. Para ajudar nessa tarefa, portanto, pode ser útil saber as principais características de cada um, para analisar o que mais agrada e se encaixa com cada  situação:

– Cerâmicas e porcelanatos

Um dos materiais mais conhecidos para revestir pisos e paredes, o porcelanato é também um tipo de cerâmica, mais resistente. Outra diferença dos porcelanatos para as cerâmicas é o tamanho, que costuma ser bem maior nos porcelanatos, além do rejunte reduzido. Isso faz com que ele fique com aparência mais homogênea. Nos dois casos o acabamento pode ser fosco ou brilhante, e a resistência varia de acordo com o modelo. As cerâmicas em geral costumam ser muito usadas justamente pela sua imensa variedade, que acaba se encaixando com todas as situações. Cerâmicas e porcelanatos que imitam pedras, por exemplo, deixam o visual mais rústico, enquanto os revestimentos polidos criam mais elegância e sensação de limpeza. Já outros modelos, como os que imitam madeira, deixam os espaços mais aconchegantes. Podem sempre ser molhados, então nada impede seu uso em banheiros, porém tomando o cuidado de optar pelas opções antiderrapantes para o piso. E existe também os porcelanatos usados para cobrir pisos existentes, que são mais finos e precisam de menos massa para serem assentados, os porcelanatos “slim”. Saiba mais sobre eles aqui.

– Pisos resinados (Epóxi, porcelanato líquido)

Existem dois tipos de resinas que cobrem o piso de maneira homogênea, a resina epóxi e a resina de poliuretano. A principal vantagem desses pisos, além de poderem ser usados para cobrir pisos existentes, é que não existe rejunte, facilitando a limpeza e deixando o visual bem homogêneo. Saiba mais sobre os pisos resinados aqui.

– Piso vinílico

Os pisos vinílicos podem vir em manta ou em placas, e as características de um para outro são bem diferentes. Os de manta sem bem maleáveis e macios, são mais baratos, mas em compensação são menos resistentes, podendo rasgar com móveis sendo arrastados, por exemplo. Mas nos dois casos as principais vantagens são a versatilidade de acabamentos e o conforto proporcionado pela sua textura nem muito quente nem muito fria, e agradável ao toque. Atualmente estão disponíveis também placas que apenas se encaixam sobre o piso, sem precisar de cola, o que permite que o piso seja reutilizado em outro lugar se necessário.

– Madeira natural

A madeira natural, na forma de assoalhos ou tacos, confere sensação bem aconchegante aos pisos, e costuma ter visual mais rústico e nobre do que as madeiras industrializadas. Quando utilizada, porém, precisam ser feitos acabamentos com verniz para que ela fique protegida, e a manutenção deve ser feita periodicamente. A madeira pode vir de árvores de reflorestamento, para preservar um pouco mais o meio-ambiente. Saiba mais sobre as madeiras de reflorestamento aqui. Outra opção é o piso de bambu, que tem visual delicado e também agride menos a natureza. Saiba mais sobre o piso de bambu aqui.

piso-madeira-1336166Piso de madeira

– Laminado e carpete de madeira

Os pisos de madeira industrializados, que são o laminado e o carpete de madeira, servem para conferir a mesma sensação aconchegante do material, porém com um visual mais homogêneo e resistência um pouco maior. Mesmo assim não é possível utilizá-los em locais que tenham muito contato com a água, como varandas ou banheiros. Em cozinhas é até possível, caso seja feita a limpeza constante ou sejam usados tapetes. E entre o laminado e o carpete, o carpete é mais barato, porém mais fino e menos resistente, de maneira geral.

– Piso de pedra (Mármore, granito, ardósia, entre outros)

As características variam bastante de uma pedra para outra, especialmente em relação a aparência e resistência, mas o principal ponto em comum das pedras naturais é a temperatura fria, que não retém calor. Isso pode ser uma vantagem em locais muito quentes. É preciso lembrar, no entanto, de não usar pedras muito escorregadias nos banheiros, especialmente porque quando são molhadas elas ficam ainda mais lisas, e também de não escolher pedras que mancham facilmente, como o mármore, em cozinhas ou outros locais que possam sujar muito.

– Carpete de tecido

Os tecidos são pouco usados no piso atualmente, pois absorvem umidade e sujeira, sendo portanto mais difíceis de serem cuidados. Mas podem ainda ser uma opção para ambientes específicos onde se queira criar sensação bem aconchegante, um pouco mais quente e confortável para andar sem sapatos ou sentar no chão. O tecido absorve os sons, tirando portanto aquele efeito de eco dos ambientes que fazem com que eles pareçam vazios. É por isso que o carpete consegue deixar os ambientes com sensação mais acolhedora. Outra vantagem é o amortecimento dos sons, já que os sapatos não fazem barulho ao pisar no tecido.

carpete-tecido-358237Carpete de tecido

– Cimento queimado e cimentícios

O cimento confere visual descolado e industrial aos ambientes, e pode ser feito na versão mais simples e barata, que é o cimento queimado, ou então podem ser usados produtos cimentícios, que têm aditivos que impedem o piso de rachar. Nos dois casos não existem rejuntes, criando um aspecto homogêneo apesar das manchas do próprio material. Saiba mais sobre os pisos de cimento aqui.

– Granilite (polido e fulget)

A mistura do cimento com pequenos pedaços de pedras, como calcário, mármore, quartzo e outras, forma o piso conhecido como granilite. Quando as pedras ficam aparentes, na versão conhecida como fulget (Lê-se como “fulgê”) o visual e a textura irregulares conferem sensação mais rústica e efeito anti-derrapante ao material, enquanto na versão polida, que recebe camada impermeabilizante, o piso fica mais liso e brilhoso. Esse último não chega a ser escorregadio quando seco mas não deve ser usado em banheiros porque fica muito liso quando é molhado.

cao-granilite-1150055Piso fulget

– Piso emborrachado

Quando o piso emborrachado é mais rígido, ele fica mais resistente e costuma ter saliências que deixam o visual irreverente. É mais usado em lojas e fábricas, onde o efeito mais delicado e aconchegante não é tão necessário, mas pode ser utilizado em casas ou apartamentos também, quando se queira causar esse efeito. Já o piso de EVA, que são placas emborrachadas de encaixar umas nas outras, são ideais para locais de brincar ou fazer exercícios, usados de maneira pontual e sobre o piso existente.

– Piso de vidro

O piso de vidro não é uma opção econômica, e por isso não é muito comum, inclusive porque para ser usado no piso o vidro precisa ser bem grosso e resistente. Mas é uma alternativa válida para situações específicas onde se queira criar efeitos diferenciados através da transparência, seja para visualizar o andar de baixo ou para deixar à mostra algum material colocado na parte de baixo, entre o contrapiso e o vidro.

Imagens: Pixabay

Cursos e e-books que você pode gostar:
Veja também:

4 comentários em “TIPOS DE PISO”

  1. Fernanda parabéns pelo site. Estamos mudando o piso do apartamento de cerâmica para porcelanato ou outro material. A grande dúvida é se retiramos o rodapé de todos cômodos que são de granitos preto altura de 20cm, ou o mantemos. Se resolvermos manter, quais cores de piso combinaria com o rodapé preto? Abraços

    1. Olá, Celso! O rodapé preto fica bem com um piso também preto, ou então com um piso da mesma cor da parede, em qualquer tom claro como cinza ou creme por exemplo. Nessa segunda opção, no entanto, ele fica bem mais chamativo, enquanto com o piso preto ele fica mais discreto. Por isso, se ele for mantido é importante que outros elementos sejam também pretos, para equilibrar. Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *